Revista eletrônica de divulgação holística. Artigos, crônicas e parábolas de abordagens científicas e espirituais. Um portal de acesso para o autoconhecimento, a meditação e a consciência de viver com plenitude no aqui e no agora.
MEDITAÇÃO DA ROSA MÍSTICA Energy-Enhancement-Meditation-Rose - A Rosa Mística é um processo terapêutico de três semanas, com duração de três horas por dia. Durante a primeira semana, os participantes riem “sem nenhuma razão específica,” dissolvendo camadas de tensão que impedem a alegria e espontaneidade interior. A segunda semana é dedicada a chorar, e a terceira semana a observação silenciosa e meditação. A […] Full view

A Rosa Mística é um processo terapêutico de três semanas, com duração de três horas por dia. Durante a primeira semana, os participantes riem "sem nenhuma razão específica," dissolvendo camadas de tensão que impedem a alegria e espontaneidade interior. A segunda semana é dedicada a chorar, e a terceira semana a observação silenciosa e meditação. A simbologia da Rosa Mística é porque se um homem cuida da semente que com ele nasceu e dá a ela o solo certo, a atmosfera certa, as vibrações certas e se move em um caminho propício onde a semente pode começar a crescer, então o crescimento final é simbolizado como a rosa mística - quando seu ser floresce e suas pétalas se abrem e liberam sua bela fragrância. Osho criou esta nova terapia de meditação e fala sobre ela: A primeira parte será o riso - por três horas, as pessoas simplesmente riem sem motivo algum. 'Cavando' por três horas, você ficará surpreso quantas camadas de poeira se reuniram em cima de seu ser. Ele irá cortá-los como uma espada, de um só golpe. Durante sete dias continuamente, três horas todos os dias...você não pode imaginar quanta transformação pode vir ao seu ser. E então a segunda parte são as lágrimas. A primeira parte remove tudo que impede o seu riso, sua gargalhada - todas as inibições do passado da humanidade, todas as repressões. São podadas e trazem um novo espaço dentro de você. Mas ainda assim você tem que ir mais alguns passos para chegar ao templo do seu ser, porque você reprimiu tanta tristeza, tanto desespero, tanta ansiedade, tantas lágrimas - e tudo isto está lá, cobrindo e destruindo sua beleza, sua graça, sua alegria... A ideia dos Mongóis era - e eu concordo com eles - de que vida após vida, tristezas vão se acumulando em você; torna-se quase uma casca dura de dor. Estas feridas e cicatrizes vem se desenvolvendo por muitas vidas. Elas não fazem parte do corpo, estão em torno da consciência e tem que ser libertadas. É por isso que todos os santos e sábios têm lhes dito - gritando - "Vá por si mesmo!" Você escuta, mas você não vai. Há uma razão para que você não vá. Você sabe que indo, você terá que encontrar a dor; indo para dentro, você terá que encontrar miséria, sofrimento, agonia. É melhor ficar de fora, compromissado, ocupado.  Então, por sete dias, você tem que permitir a si mesmo chorar e chorar por nenhuma razão - as lágrimas estão simplesmente prontas para vir. Você as tem prevenido. Simplesmente não impeça.   Finalmente, a terceira parte é testemunhar: O 'Observador nas colinas'. Após o riso e as lágrimas, há apenas um testemunhar silencioso. Testemunhar por si só é automaticamente supressivo. As lágrimas param quando você as observa, tornam-se dormentes. Esta meditação se livra do riso e das lágrimas de antemão, de modo que não há nada para suprimir no momento de testemunhar. Em seguida, o testemunho simplesmente abre um céu puro. Osho, extraído de YAA-HOO! The Mystic Rose.

MEDITAÇÃO DA ROSA MÍSTICA

A Rosa Mística é um processo terapêutico de três semanas, com duração de três horas por dia. Durante a primeira semana, os participantes riem “sem nenhuma razão específica,” dissolvendo camadas de tensão que impedem a alegria e espontaneidade interior. A segunda semana é dedicada a chorar, e a terceira semana a observação silenciosa e meditação.

A simbologia da Rosa Mística é porque se um homem cuida da semente que com ele nasceu e dá a ela o solo certo, a atmosfera certa, as vibrações certas e se move em um caminho propício onde a semente pode começar a crescer, então o crescimento final é simbolizado como a rosa mística – quando seu ser floresce e suas pétalas se abrem e liberam sua bela fragrância.

Osho criou esta nova terapia de meditação e fala sobre ela:

A primeira parte será o riso – por três horas, as pessoas simplesmente riem sem motivo algum. ‘Cavando’ por três horas, você ficará surpreso quantas camadas de poeira se reuniram em cima de seu ser. Ele irá cortá-los como uma espada, de um só golpe. Durante sete dias continuamente, três horas todos os dias…você não pode imaginar quanta transformação pode vir ao seu ser.

E então a segunda parte são as lágrimas. A primeira parte remove tudo que impede o seu riso, sua gargalhada – todas as inibições do passado da humanidade, todas as repressões. São podadas e trazem um novo espaço dentro de você. Mas ainda assim você tem que ir mais alguns passos para chegar ao templo do seu ser, porque você reprimiu tanta tristeza, tanto desespero, tanta ansiedade, tantas lágrimas – e tudo isto está lá, cobrindo e destruindo sua beleza, sua graça, sua alegria…

A ideia dos Mongóis era – e eu concordo com eles – de que vida após vida, tristezas vão se acumulando em você; torna-se quase uma casca dura de dor. Estas feridas e cicatrizes vem se desenvolvendo por muitas vidas. Elas não fazem parte do corpo, estão em torno da consciência e tem que ser libertadas. É por isso que todos os santos e sábios têm lhes dito – gritando – “Vá por si mesmo!” Você escuta, mas você não vai. Há uma razão para que você não vá. Você sabe que indo, você terá que encontrar a dor; indo para dentro, você terá que encontrar miséria, sofrimento, agonia. É melhor ficar de fora, compromissado, ocupado. 

Então, por sete dias, você tem que permitir a si mesmo chorar e chorar por nenhuma razão – as lágrimas estão simplesmente prontas para vir. Você as tem prevenido. Simplesmente não impeça.  

Finalmente, a terceira parte é testemunhar: O ‘Observador nas colinas’. Após o riso e as lágrimas, há apenas um testemunhar silencioso. Testemunhar por si só é automaticamente supressivo. As lágrimas param quando você as observa, tornam-se dormentes. Esta meditação se livra do riso e das lágrimas de antemão, de modo que não há nada para suprimir no momento de testemunhar. Em seguida, o testemunho simplesmente abre um céu puro.

Osho, extraído de YAA-HOO! The Mystic Rose.

Por: shakyamuni

Posts Relacionados

Deixe um comentário