Revista eletrônica de divulgação holística. Artigos, crônicas e parábolas de abordagens científicas e espirituais. Um portal de acesso para o autoconhecimento, a meditação e a consciência de viver com plenitude no aqui e no agora.
DEEPAK CHOPRA: COMO TER UMA MENTE LIBERTA E POSITIVA? mente free estar em si - Você ama sua mente? Para muitas pessoas, a resposta é “não” ou “não o tempo todo.” Elas muitas vezes se sentem presas dentro de seus pensamentos e de suas emoções, à mercê de uma série de convidados indesejados – o medo que ronda à vontade e espreita a mente sem cerimônia, a escura depressão que […] Full view

Você ama sua mente? Para muitas pessoas, a resposta é "não" ou "não o tempo todo." Elas muitas vezes se sentem presas dentro de seus pensamentos e de suas emoções, à mercê de uma série de convidados indesejados - o medo que ronda à vontade e espreita a mente sem cerimônia, a escura depressão que se hospeda na residência e se recusa a sair, a raiva que sopra fogo pelas ventas, inflamando e tumultuando seu dia.

As culturas antigas reconheceram toda inquietude da mente e a sua natureza nada confiável. Na Índia, a metáfora mais comum para a mente é o elefante selvagem, e no budismo, a mente é comparada à um macaco que fica saracoteando através dos cinco sentidos. Macacos são notoriamente impulsivos, suscetíveis a fazerem qualquer coisa sem aviso prévio. Para lidar com as palhaçadas frustrantes da mente de macaco, a grande maioria das pessoas tenta domá-la - mas esse método nunca funciona. A mente só se torna mais selvagem quando tentamos controla-la e confina-la. A solução é contraditória: para a experiência de paz e calma, temos que libertar a mente. Quando se é livre, ela se acalma e se torna um canal para a paz. Em liberdade, os nossos pensamentos, impulsos e emoções - que são um sub-produto dos pensamentos -, fluem em harmonia com o que é certo, verdadeiro e melhor para cada um de nós.

Como, então, você pode reconhecer e constatar que sua mente está livre? O primeiro passo é entender que a mente em si é uma constante armadilha tentando elaborar uma história sobre quem você é e o que você acredita, e em seguida, defende ferozmente essa história. Observando esta tendência humana, o filósofo Jean Jacques Rousseau escreveu: "O homem nasce livre, e por toda a parte encontra-se acorrentado". A história mais comum que a mente conta é a de que você é o seu ego, um "eu" arraigado que está separado do resto do mundo. Enquanto você acredita nesta história, isto te mantém em um cativeiro. O ego é limitado, subjugado ao medo, tomado e consumido pela ideia de que ele tem que saber o que vai acontecer, a fim de se sentir seguro.

A verdade é que não sabemos o que irá acontecer. Sentir-se realmente seguro, em paz e contente vem do experienciar o contato com seu "eu" verdadeiro, que é puro espírito, sem limites no tempo e no espaço. Quando você sabe que na realidade você não está dentro da sua cabeça, você já é posto em liberdade, como a própria consciência. Abraçar a sabedoria da incerteza não só o libertará da ilusão do ego em controlar, como também o colocará bem no meio do fluxo de alegria da criatividade cósmica.

Para embalar e nutrir esta liberdade em se deixar levar pela existência e ter mais plenitude no momento presente, eu conheço e experimento um caminho: O da meditação. A meditação é uma das práticas mais poderosas para despertar seu verdadeiro eu e a paz que já se se encontra dentro de você, mas é pouco reconhecida. Na meditação, você salta além das conversas e do caos ruidoso da mente, para a consciência tranquila e uma notável expansão interior. Você começa a ver que você não é seus pensamentos, suas emoções, e as histórias que você conta para si mesmo. A medida que você experiencia este silêncio regularmente, sua mente começa a mudar. Em vez de ser dominado pelo medo, pela culpa e outras formas de dor interior, você é dominado por um estado de quietude. A partir desse estado, floresce uma sensação de bem-estar e uma sensação de que você está seguro. Se você permanecer no caminho e continuar experimentando o silêncio interior, um alvorecer de paz prepara naturalmente o anoitecer da alegria e da bem-aventurança.

Fonte: www.chopra.com/ccl/set-your-mind-free

Tradução livre e edição: Shakyamuni

 

DEEPAK CHOPRA: COMO TER UMA MENTE LIBERTA E POSITIVA?

Você ama sua mente? Para muitas pessoas, a resposta é “não” ou “não o tempo todo.” Elas muitas vezes se sentem presas dentro de seus pensamentos e de suas emoções, à mercê de uma série de convidados indesejados – o medo que ronda à vontade e espreita a mente sem cerimônia, a escura depressão que se hospeda na residência e se recusa a sair, a raiva que sopra fogo pelas ventas, inflamando e tumultuando seu dia.

As culturas antigas reconheceram toda inquietude da mente e a sua natureza nada confiável. Na Índia, a metáfora mais comum para a mente é o elefante selvagem, e no budismo, a mente é comparada à um macaco que fica saracoteando através dos cinco sentidos. Macacos são notoriamente impulsivos, suscetíveis a fazerem qualquer coisa sem aviso prévio. Para lidar com as palhaçadas frustrantes da mente de macaco, a grande maioria das pessoas tenta domá-la – mas esse método nunca funciona. A mente só se torna mais selvagem quando tentamos controla-la e confina-la. A solução é contraditória: para a experiência de paz e calma, temos que libertar a mente. Quando se é livre, ela se acalma e se torna um canal para a paz. Em liberdade, os nossos pensamentos, impulsos e emoções – que são um sub-produto dos pensamentos -, fluem em harmonia com o que é certo, verdadeiro e melhor para cada um de nós.

Como, então, você pode reconhecer e constatar que sua mente está livre? O primeiro passo é entender que a mente em si é uma constante armadilha tentando elaborar uma história sobre quem você é e o que você acredita, e em seguida, defende ferozmente essa história. Observando esta tendência humana, o filósofo Jean Jacques Rousseau escreveu: “O homem nasce livre, e por toda a parte encontra-se acorrentado”. A história mais comum que a mente conta é a de que você é o seu ego, um “eu” arraigado que está separado do resto do mundo. Enquanto você acredita nesta história, isto te mantém em um cativeiro. O ego é limitado, subjugado ao medo, tomado e consumido pela ideia de que ele tem que saber o que vai acontecer, a fim de se sentir seguro.

A verdade é que não sabemos o que irá acontecer. Sentir-se realmente seguro, em paz e contente vem do experienciar o contato com seu “eu” verdadeiro, que é puro espírito, sem limites no tempo e no espaço. Quando você sabe que na realidade você não está dentro da sua cabeça, você já é posto em liberdade, como a própria consciência. Abraçar a sabedoria da incerteza não só o libertará da ilusão do ego em controlar, como também o colocará bem no meio do fluxo de alegria da criatividade cósmica.

Para embalar e nutrir esta liberdade em se deixar levar pela existência e ter mais plenitude no momento presente, eu conheço e experimento um caminho: O da meditação. A meditação é uma das práticas mais poderosas para despertar seu verdadeiro eu e a paz que já se se encontra dentro de você, mas é pouco reconhecida. Na meditação, você salta além das conversas e do caos ruidoso da mente, para a consciência tranquila e uma notável expansão interior. Você começa a ver que você não é seus pensamentos, suas emoções, e as histórias que você conta para si mesmo. A medida que você experiencia este silêncio regularmente, sua mente começa a mudar. Em vez de ser dominado pelo medo, pela culpa e outras formas de dor interior, você é dominado por um estado de quietude. A partir desse estado, floresce uma sensação de bem-estar e uma sensação de que você está seguro. Se você permanecer no caminho e continuar experimentando o silêncio interior, um alvorecer de paz prepara naturalmente o anoitecer da alegria e da bem-aventurança.

Fonte: www.chopra.com/ccl/set-your-mind-free

Tradução livre e edição: Shakyamuni

 

Por: shakyamuni

2 Comentários

  • Lindo texto!

    Responder
  • aparecida correa porto - Cida on

    Interessante como voltei do TQC módulo CORAÇÃO, que se realizou em Piracanga semana passada. Mexida, alegre, pensativa, magoada, feliz…agora estou me reorganizando, me reconhecendo verdadeiramente! Me vendo, me sentindo, me agradecendo, me reverenciando!
    Gratidão, Silvana! Gratidão!.
    Cida Porto

    Responder

Deixe um comentário