Revista eletrônica de divulgação holística. Artigos, crônicas e parábolas de abordagens científicas e espirituais. Um portal de acesso para o autoconhecimento, a meditação e a consciência de viver com plenitude no aqui e no agora.
DA ESCOLA SUFI: O PÁSSARO INDIANO beija252bflor - Um mercador mantinha um pássaro numa gaiola. Estando de partida para a Índia, país natal do pássaro, perguntou-lhe se queria algo de lá. O pássaro lhe pediu sua liberdade, mas esta lhe foi negada. Então solicitou ao mercador que fosse a uma floresta na Índia e que anunciasse seu cativeiro aos pássaros livres que ali […] Full view

Um mercador mantinha um pássaro numa gaiola. Estando de partida para a Índia, país natal do pássaro, perguntou-lhe se queria algo de lá. O pássaro lhe pediu sua liberdade, mas esta lhe foi negada. Então solicitou ao mercador que fosse a uma floresta na Índia e que anunciasse seu cativeiro aos pássaros livres que ali se encontrassem. O mercador assim fez e mal se referira ao seu cativo, um pássaro selvagem semelhante ao que ele mantinha na gaiola caiu ao chão da árvore onde pousara, sem sentidos. Pensando que o pássaro fosse parente de seu canário engaiolado, o mercador ficou pesaroso por ter sido o causador daquela morte. Regressou a seu lar e então o pássaro cativo perguntou-lhe se trazia boas notícias da Índia. - Receio que minhas notícias sejam más. Um de seus parentes teve um colapso e caiu morto a meus pés quando anunciei que você estava preso numa gaiola. Mal essas palavras foram pronunciadas, o pássaro do mercador sofreu um colapso e caiu no fundo da gaiola. - A notícia sobre a morte de seu parente também lhe trouxe a morte - murmurou o mercador. Desolado, recolheu o pássaro e o colocou no rebordo da janela. Imediatamente o pássaro reviveu e voou para uma árvore próxima. - Pode perceber agora - disse o pássaro - que o que você interpretou como uma tragédia era, na verdade, uma boa notícia para mim. E de como a mensagem, ou seja, a indicação de como me comportar para obter minha liberdade, me foi transmitida por meio de você, meu captor. Dito isso, se afastou num voo largo, livre por fim. Imitadores e sistemas dispostos a acomodar-se ao pensamento convencional, tanto no Oriente como no Ocidente, preferem geralmente pôr em destaque "o sistema" e "o programa", em lugar da totalidade de experiências que ocorrem numa escola sufi.

DA ESCOLA SUFI: O PÁSSARO INDIANO

Um mercador mantinha um pássaro numa gaiola. Estando de partida para a Índia, país natal do pássaro, perguntou-lhe se queria algo de lá.

O pássaro lhe pediu sua liberdade, mas esta lhe foi negada.

Então solicitou ao mercador que fosse a uma floresta na Índia e que anunciasse seu cativeiro aos pássaros livres que ali se encontrassem.

O mercador assim fez e mal se referira ao seu cativo, um pássaro selvagem semelhante ao que ele mantinha na gaiola caiu ao chão da árvore onde pousara, sem sentidos.

Pensando que o pássaro fosse parente de seu canário engaiolado, o mercador ficou pesaroso por ter sido o causador daquela morte.

Regressou a seu lar e então o pássaro cativo perguntou-lhe se trazia boas notícias da Índia.

– Receio que minhas notícias sejam más. Um de seus parentes teve um colapso e caiu morto a meus pés quando anunciei que você estava preso numa gaiola.

Mal essas palavras foram pronunciadas, o pássaro do mercador sofreu um colapso e caiu no fundo da gaiola.

– A notícia sobre a morte de seu parente também lhe trouxe a morte – murmurou o mercador.

Desolado, recolheu o pássaro e o colocou no rebordo da janela. Imediatamente o pássaro reviveu e voou para uma árvore próxima.

– Pode perceber agora – disse o pássaro – que o que você interpretou como uma tragédia era, na verdade, uma boa notícia para mim. E de como a mensagem, ou seja, a indicação de como me comportar para obter minha liberdade, me foi transmitida por meio de você, meu captor. Dito isso, se afastou num voo largo, livre por fim.

Imitadores e sistemas dispostos a acomodar-se ao pensamento convencional, tanto no Oriente como no Ocidente, preferem geralmente pôr em destaque “o sistema” e “o programa”, em lugar da totalidade de experiências que ocorrem numa escola sufi.

Por: shakyamuni

1 Comentários

  • Maria da Glória Jordão on

    Sempre sonhei com uma Educação assim em que se possa trabalhar o corpo físico, mental e espiritual. Só assim o mundo poderia mudar.

    Maria

    Responder

Deixe um comentário