Revista eletrônica de divulgação holística. Artigos, crônicas e parábolas de abordagens científicas e espirituais. Um portal de acesso para o autoconhecimento, a meditação e a consciência de viver com plenitude no aqui e no agora.
DA ESCOLA SUFI: O PÁSSARO INDIANO beija252bflor - Um mercador mantinha um pássaro numa gaiola. Estando de partida para a Índia, país natal do pássaro, perguntou-lhe se queria algo de lá. O pássaro lhe pediu sua liberdade, mas esta lhe foi negada. Então solicitou ao mercador que fosse a uma floresta na Índia e que anunciasse seu cativeiro aos pássaros livres que ali […] Full view

Um mercador mantinha um pássaro numa gaiola. Estando de partida para a Índia, país natal do pássaro, perguntou-lhe se queria algo de lá. O pássaro lhe pediu sua liberdade, mas esta lhe foi negada. Então solicitou ao mercador que fosse a uma floresta na Índia e que anunciasse seu cativeiro aos pássaros livres que ali se encontrassem. O mercador assim fez e mal se referira ao seu cativo, um pássaro selvagem semelhante ao que ele mantinha na gaiola caiu ao chão da árvore onde pousara, sem sentidos. Pensando que o pássaro fosse parente de seu canário engaiolado, o mercador ficou pesaroso por ter sido o causador daquela morte. Regressou a seu lar e então o pássaro cativo perguntou-lhe se trazia boas notícias da Índia. - Receio que minhas notícias sejam más. Um de seus parentes teve um colapso e caiu morto a meus pés quando anunciei que você estava preso numa gaiola. Mal essas palavras foram pronunciadas, o pássaro do mercador sofreu um colapso e caiu no fundo da gaiola. - A notícia sobre a morte de seu parente também lhe trouxe a morte - murmurou o mercador. Desolado, recolheu o pássaro e o colocou no rebordo da janela. Imediatamente o pássaro reviveu e voou para uma árvore próxima. - Pode perceber agora - disse o pássaro - que o que você interpretou como uma tragédia era, na verdade, uma boa notícia para mim. E de como a mensagem, ou seja, a indicação de como me comportar para obter minha liberdade, me foi transmitida por meio de você, meu captor. Dito isso, se afastou num voo largo, livre por fim. Imitadores e sistemas dispostos a acomodar-se ao pensamento convencional, tanto no Oriente como no Ocidente, preferem geralmente pôr em destaque "o sistema" e "o programa", em lugar da totalidade de experiências que ocorrem numa escola sufi.

DA ESCOLA SUFI: O PÁSSARO INDIANO

Um mercador mantinha um pássaro numa gaiola. Estando de partida para a Índia, país natal do pássaro, perguntou-lhe se queria algo de lá.

O pássaro lhe pediu sua liberdade, mas esta lhe foi negada.

Então solicitou ao mercador que fosse a uma floresta na Índia e que anunciasse seu cativeiro aos pássaros livres que ali se encontrassem.

O mercador assim fez e mal se referira ao seu cativo, um pássaro selvagem semelhante ao que ele mantinha na gaiola caiu ao chão da árvore onde pousara, sem sentidos.

Pensando que o pássaro fosse parente de seu canário engaiolado, o mercador ficou pesaroso por ter sido o causador daquela morte.

Regressou a seu lar e então o pássaro cativo perguntou-lhe se trazia boas notícias da Índia.

– Receio que minhas notícias sejam más. Um de seus parentes teve um colapso e caiu morto a meus pés quando anunciei que você estava preso numa gaiola.

Mal essas palavras foram pronunciadas, o pássaro do mercador sofreu um colapso e caiu no fundo da gaiola.

– A notícia sobre a morte de seu parente também lhe trouxe a morte – murmurou o mercador.

Desolado, recolheu o pássaro e o colocou no rebordo da janela. Imediatamente o pássaro reviveu e voou para uma árvore próxima.

– Pode perceber agora – disse o pássaro – que o que você interpretou como uma tragédia era, na verdade, uma boa notícia para mim. E de como a mensagem, ou seja, a indicação de como me comportar para obter minha liberdade, me foi transmitida por meio de você, meu captor. Dito isso, se afastou num voo largo, livre por fim.

Imitadores e sistemas dispostos a acomodar-se ao pensamento convencional, tanto no Oriente como no Ocidente, preferem geralmente pôr em destaque “o sistema” e “o programa”, em lugar da totalidade de experiências que ocorrem numa escola sufi.

Por: shakyamuni

2 Comentários

  • Maria da Glória Jordão on

    Sempre sonhei com uma Educação assim em que se possa trabalhar o corpo físico, mental e espiritual. Só assim o mundo poderia mudar.

    Maria

    Responder
  • Me apaixonei pelos pensamentos de sufi A alma só se liberta qdo mantemos nossos pensamentos livres para voar, sonhar...mesmo que vc trnha que tomar suas próprias decisões. Se acertou ótimo. Se não foi dessa vez...pelo menos vc tentou. on

    A vida exige “discernimento ” e a decisão será sempre nossa.

    Responder

Deixe um comentário