Revista eletrônica de divulgação holística. Artigos, crônicas e parábolas de abordagens científicas e espirituais. Um portal de acesso para o autoconhecimento, a meditação e a consciência de viver com plenitude no aqui e no agora.
5 FERIDAS DA INFÂNCIA QUE AINDA AFETAM O BEM-ESTAR DE UM ADULTO feridas estar em si - ALGUMA VEZ VOCÊ JÁ SE PERGUNTOU POR QUE A INFÂNCIA É UMA CHAVE PARA DEFINIR O NOSSO ESTILO DE VIDA? os primeiros anos de vida podem determinar quem serás e como serás. as EXPERIÊNCIAS vividas podem AFETAr a INFORMAÇÃO INTELECTUAL, EMOCIONAL, PSICOLÓGICA E FÍSICA no FUTURO. Os  problemas vividos dos 0 aos 7 anos com […] Full view

ALGUMA VEZ VOCÊ JÁ SE PERGUNTOU POR QUE A INFÂNCIA É UMA CHAVE PARA DEFINIR O NOSSO ESTILO DE VIDA?
os primeiros anos de vida podem determinar quem serás e como serás. as EXPERIÊNCIAS vividas podem AFETAr a INFORMAÇÃO INTELECTUAL, EMOCIONAL, PSICOLÓGICA E FÍSICA no FUTURO.

Os  problemas vividos dos 0 aos 7 anos com nossos pais explicam, em grande medida, como será nossa futura qualidade de vida e como esta fase vai afetar o nosso bem-estar e revelar nossas dificuldades.

É neste período que  geram 5 tipos de personalidades de acordo com as 5 feridas básicas da infância: injustiça, rejeição, abandono, traição e humilhação. 

Se você teve problemas com seu progenitor do sexo oposto, a tendência é que encontre mais dificuldade em receber amor, enquanto que se os problemas foram com o progenitor do mesmo sexo e que não tenha sido um bom modelo para você quando criança, a dificuldade tenderá a ser em expressar amor e amar a si mesmo.

E essas dificuldades, com toda a probabilidade, se perpetuam até a idade adulta, a menos que tenham sido curadas ou passem a ser. Surgem na infância quando a criança se sente traída por um de seus pais. A principal forma de traição é quando os pais muitas vezes não cumprem as promessas que fazem para a criança. Ela se intensifica quando a conduta sofrida é com o genitor do mesmo sexo.

Primeira ferida da infância: rejeição 

É uma ferida profunda que quando sofrida, se sente rejeitado dentro de si mesmo e passa a se viver com um certo equívoco a respeito do direito de existir. Origina-se, e é muito mais intensa, quando produzida pelo genitor do mesmo sexo. Isso acontece quando o bebê chega de surpresa e na primeira etapa do processo do nascimento, um ou ambos os pais a vivem como um certo incômodo, ou porque é expressa uma rejeição real pela criança por um dos pais.

Os principais pensamentos são;

  • Rejeição,
  • Não ser desejado
  • Invalidação de si mesmo.

Seu principal  comportamento é quase indescritível. Tendem a escapar de situações desagradáveis. Não estão muito interessado na socialização e são inclinados a abandonar o que começam. Não se apegam as coisas e nem as pessoas. Consideram seus relacionamentos e seu ganhos materiais úteis, mas ambos não lhe geram prazer.

"Não sirvo pra nada, o que eu digo não importa pra ninguém, eu não sei pra que eu participo, eu não tenho capacidade pra fazer isso, eu sou ruim nisso, ninguém está interessado em me ouvir..." Estes são os tipos de pensamentos que costumam rondar e que se expressam diante de uma dificuldade. Precisam ser trabalhadas as situações que geram pânico, seus temores e medos interiores. Afetam a pessoa ao nível de ser, do viver e expressar sua personalidade.

Segunda ferida da infância: abandono 

Normalmente surge como resultado de pais que estão ausentes na maior parte do tempo, que trabalham o dia todo ou no momento da chegada de um novo irmão. Isso também acontece quando deixam a criança isolada numa parte da casa a maior parte do tempo. É muito mais intensa quando a situação é vivida com o progenitor do sexo oposto.

Seus pensamentos são de isolamento, abandono e vítima. Tem uma grande tendência para a solidão. Seu principal comportamento é a dependência. Seu maior medo é a solidão e não suportam ficar sozinhos consigo mesmos; e ao final, acabam por estarem sós.

Características:

  • São mais retraídos
  • Não gostam de contato com outras pessoas
  • Geram um verdadeiro drama diante de uma situação sem importância
  • Solicitam e buscam apoio de outros diante dos conflitos

"Eu não vou aguentar mais, ninguém me apóia nisto, ninguém me ajuda, eu prefiro ficar sozinho (a), você vai ver o que faz comigo, se me abandonar não volte ... " São as suas formas de comunicação diante de um problema. Precisam ser trabalhadas em seus temores mais intensos, no medo da solidão e na rejeição ao contato físico. Afetam a pessoa no que se refere a terem e a fazerem coisas.

Terceira ferida da infância: humilhação 

Ela ocorre em qualquer âmbito durante a infância. Acontece em situações repetitivas quando a criança é envergonhada, quando gritam com ela, humilham ou a comparam com outras. É gerada tanto no ambiente familiar como no social. Se tornam mais fortes quando essas atitudes vêm da mãe.

Os principais pensamentos são:

  • De abandono
  • De comparação e rebaixamento diante dos outro (eu sou um lixo).

Os processos mentais estão focados em quererem encontrar soluções para os problemas dos outros, abandonando seus próprios interesses, o que torna possível justificar e reafirmar sua humilhação. O  comportamento  principal é de dependência.

Características:

  • São orgulhosos
  • Rígidos e masoquistas (gerando certo prazer no sofrimento) .
  • Precisam estar vinculados aos outros e arcarem com os problemas dos demais.

"Eu não mereço, eu não sou digno, eu sou muito pequeno para isso, não tem importância ..."  Estes são alguns modelos usados para se expressarem. Precisam ser trabalhados na sua dependência, liberdade e desapego. Isto é o que mais querem e também o que eles mais temem.

Quarta ferida da infância: traição

Os principais pensamentos oriundos da sensação de traição, acabam por gerar sentimentos de inveja dos demais por acharem que estes não merecem o que tem. Normalmente são muito rígidos e por consequência muito difíceis em mudar de mentalidade.

O principal comportamento é o controle. 

Características:

  • Gostam de ter controle sobre os outros para evitar que sejam traídos
  • Tem um caráter forte para justificarem a sua capacidade de controlar e gostam de lidar com grupos
  • Os maiores medos de um controlador são os de desassociar de si si mesmos, separarem ou perderem seus parceiro (as)
  • Normalmente, confirmam seus principais medos fazendo com que eles ocorram

"Posso terminar, eu não acabei de falar, você me entende, certo? tem confiança em mim? deixe-me ir sozinho, eu sei fazer bem, apenas é o que eu quero, que é exatamente o que você tem que fazer, você tem o que merece ..."  Esta é a forma comum de comunicação do controlador. Requer trabalhar a paciência, tolerância e viver o momento presente. Seus desafios principais são o de aprenderem a estar sozinhos e delegarem responsabilidades de forma eficaz e confiante.

Quinta ferida da infância: injustiça

Ela surge a partir de um ambiente em que os pais são frios em seus relacionamentos e tenham condutas severas. Ela ocorre na infância, quando começamos a viver a nossa integridade como pessoa. Os pais começam a sobrecarregar a criança. Este traço na personalidade se torna mais forte, se a fonte é o progenitor do mesmo sexo.

Eles tendem a serem rigorosos consigo mesmos e desenvolvem pensamentos de comparação com os outros e alguns sinais de auto-sabotagem. Estão sempre em busca da perfeição. Não aceitar que os outros tenham o que para eles vem a custa de muito trabalho, é um dos tipos de pensamentos que rondam e pressionam sua atividade mental.

Sua principal conduta é a rigidez .

Características:

  • Intencionam serem muito importantes
  • Projetam força e poder
  • São fanáticos pela ordem e de conduta perfeccionista
  • Só confiam em si mesmos
  • Têm dificuldades em agir
  • Gostam de dar ordens e de liderarem

"É exatamente isto que quero, é justamente isto que você deve fazer, eu acho que é justo, você concorda comigo ..."  Esta é a maneira mais comum de se comunicarem. E o trabalho sobre si mesmos, requer uma investigação e consciência sobre suas desconfianças e rigidez mental. Construir flexibilidade e confiança nos outros, são também seus maiores desafios.

A jornada do autoconhecimento é certamente uma das mais belas virtudes enquanto seres encarnados neste planeta. Ao reconhecermos em nós mesmos alguns destes traços, buscar ajuda de um profissional na área da saúde física, mental e emocional, passa a ser um ganho na qualidade de vida e um salto no resgate da nossa fonte original.

Autoria e ilustração de imagem: Edgar do site memoriaemocional.com/5-heridas-de-la-infancia-que-afectan-tu-bienestar

Edição e livre traduçãoShakyamuni

 

5 FERIDAS DA INFÂNCIA QUE AINDA AFETAM O BEM-ESTAR DE UM ADULTO

ALGUMA VEZ VOCÊ JÁ SE PERGUNTOU POR QUE A INFÂNCIA É UMA CHAVE PARA DEFINIR O NOSSO ESTILO DE VIDA?
os primeiros anos de vida podem determinar quem serás e como serás. as EXPERIÊNCIAS vividas podem AFETAr a INFORMAÇÃO INTELECTUAL, EMOCIONAL, PSICOLÓGICA E FÍSICA no FUTURO.

Os  problemas vividos dos 0 aos 7 anos com nossos pais explicam, em grande medida, como será nossa futura qualidade de vida e como esta fase vai afetar o nosso bem-estar e revelar nossas dificuldades.

É neste período que  geram 5 tipos de personalidades de acordo com as 5 feridas básicas da infância: injustiça, rejeição, abandono, traição e humilhação. 

Se você teve problemas com seu progenitor do sexo oposto, a tendência é que encontre mais dificuldade em receber amor, enquanto que se os problemas foram com o progenitor do mesmo sexo e que não tenha sido um bom modelo para você quando criança, a dificuldade tenderá a ser em expressar amor e amar a si mesmo.

E essas dificuldades, com toda a probabilidade, se perpetuam até a idade adulta, a menos que tenham sido curadas ou passem a ser. Surgem na infância quando a criança se sente traída por um de seus pais. A principal forma de traição é quando os pais muitas vezes não cumprem as promessas que fazem para a criança. Ela se intensifica quando a conduta sofrida é com o genitor do mesmo sexo.

Primeira ferida da infância: rejeição 

É uma ferida profunda que quando sofrida, se sente rejeitado dentro de si mesmo e passa a se viver com um certo equívoco a respeito do direito de existir. Origina-se, e é muito mais intensa, quando produzida pelo genitor do mesmo sexo. Isso acontece quando o bebê chega de surpresa e na primeira etapa do processo do nascimento, um ou ambos os pais a vivem como um certo incômodo, ou porque é expressa uma rejeição real pela criança por um dos pais.

Os principais pensamentos são;

  • Rejeição,
  • Não ser desejado
  • Invalidação de si mesmo.

Seu principal  comportamento é quase indescritível. Tendem a escapar de situações desagradáveis. Não estão muito interessado na socialização e são inclinados a abandonar o que começam. Não se apegam as coisas e nem as pessoas. Consideram seus relacionamentos e seu ganhos materiais úteis, mas ambos não lhe geram prazer.

“Não sirvo pra nada, o que eu digo não importa pra ninguém, eu não sei pra que eu participo, eu não tenho capacidade pra fazer isso, eu sou ruim nisso, ninguém está interessado em me ouvir…” Estes são os tipos de pensamentos que costumam rondar e que se expressam diante de uma dificuldade. Precisam ser trabalhadas as situações que geram pânico, seus temores e medos interiores. Afetam a pessoa ao nível de ser, do viver e expressar sua personalidade.

Segunda ferida da infância: abandono 

Normalmente surge como resultado de pais que estão ausentes na maior parte do tempo, que trabalham o dia todo ou no momento da chegada de um novo irmão. Isso também acontece quando deixam a criança isolada numa parte da casa a maior parte do tempo. É muito mais intensa quando a situação é vivida com o progenitor do sexo oposto.

Seus pensamentos são de isolamento, abandono e vítima. Tem uma grande tendência para a solidão. Seu principal comportamento é a dependência. Seu maior medo é a solidão e não suportam ficar sozinhos consigo mesmos; e ao final, acabam por estarem sós.

Características:

  • São mais retraídos
  • Não gostam de contato com outras pessoas
  • Geram um verdadeiro drama diante de uma situação sem importância
  • Solicitam e buscam apoio de outros diante dos conflitos

Eu não vou aguentar mais, ninguém me apóia nisto, ninguém me ajuda, eu prefiro ficar sozinho (a), você vai ver o que faz comigo, se me abandonar não volte … “ São as suas formas de comunicação diante de um problema. Precisam ser trabalhadas em seus temores mais intensos, no medo da solidão e na rejeição ao contato físico. Afetam a pessoa no que se refere a terem e a fazerem coisas.

Terceira ferida da infância: humilhação 

Ela ocorre em qualquer âmbito durante a infância. Acontece em situações repetitivas quando a criança é envergonhada, quando gritam com ela, humilham ou a comparam com outras. É gerada tanto no ambiente familiar como no social. Se tornam mais fortes quando essas atitudes vêm da mãe.

Os principais pensamentos são:

  • De abandono
  • De comparação e rebaixamento diante dos outro (eu sou um lixo).

Os processos mentais estão focados em quererem encontrar soluções para os problemas dos outros, abandonando seus próprios interesses, o que torna possível justificar e reafirmar sua humilhação. O  comportamento  principal é de dependência.

Características:

  • São orgulhosos
  • Rígidos e masoquistas (gerando certo prazer no sofrimento) .
  • Precisam estar vinculados aos outros e arcarem com os problemas dos demais.

“Eu não mereço, eu não sou digno, eu sou muito pequeno para isso, não tem importância …”  Estes são alguns modelos usados para se expressarem. Precisam ser trabalhados na sua dependência, liberdade e desapego. Isto é o que mais querem e também o que eles mais temem.

Quarta ferida da infância: traição

Os principais pensamentos oriundos da sensação de traição, acabam por gerar sentimentos de inveja dos demais por acharem que estes não merecem o que tem. Normalmente são muito rígidos e por consequência muito difíceis em mudar de mentalidade.

O principal comportamento é o controle. 

Características:

  • Gostam de ter controle sobre os outros para evitar que sejam traídos
  • Tem um caráter forte para justificarem a sua capacidade de controlar e gostam de lidar com grupos
  • Os maiores medos de um controlador são os de desassociar de si si mesmos, separarem ou perderem seus parceiro (as)
  • Normalmente, confirmam seus principais medos fazendo com que eles ocorram

“Posso terminar, eu não acabei de falar, você me entende, certo? tem confiança em mim? deixe-me ir sozinho, eu sei fazer bem, apenas é o que eu quero, que é exatamente o que você tem que fazer, você tem o que merece …”  Esta é a forma comum de comunicação do controlador. Requer trabalhar a paciência, tolerância e viver o momento presente. Seus desafios principais são o de aprenderem a estar sozinhos e delegarem responsabilidades de forma eficaz e confiante.

Quinta ferida da infância: injustiça

Ela surge a partir de um ambiente em que os pais são frios em seus relacionamentos e tenham condutas severas. Ela ocorre na infância, quando começamos a viver a nossa integridade como pessoa. Os pais começam a sobrecarregar a criança. Este traço na personalidade se torna mais forte, se a fonte é o progenitor do mesmo sexo.

Eles tendem a serem rigorosos consigo mesmos e desenvolvem pensamentos de comparação com os outros e alguns sinais de auto-sabotagem. Estão sempre em busca da perfeição. Não aceitar que os outros tenham o que para eles vem a custa de muito trabalho, é um dos tipos de pensamentos que rondam e pressionam sua atividade mental.

Sua principal conduta é a rigidez .

Características:

  • Intencionam serem muito importantes
  • Projetam força e poder
  • São fanáticos pela ordem e de conduta perfeccionista
  • Só confiam em si mesmos
  • Têm dificuldades em agir
  • Gostam de dar ordens e de liderarem

“É exatamente isto que quero, é justamente isto que você deve fazer, eu acho que é justo, você concorda comigo …”  Esta é a maneira mais comum de se comunicarem. E o trabalho sobre si mesmos, requer uma investigação e consciência sobre suas desconfianças e rigidez mental. Construir flexibilidade e confiança nos outros, são também seus maiores desafios.

A jornada do autoconhecimento é certamente uma das mais belas virtudes enquanto seres encarnados neste planeta. Ao reconhecermos em nós mesmos alguns destes traços, buscar ajuda de um profissional na área da saúde física, mental e emocional, passa a ser um ganho na qualidade de vida e um salto no resgate da nossa fonte original.

Autoria e ilustração de imagem: Edgar do site memoriaemocional.com/5-heridas-de-la-infancia-que-afectan-tu-bienestar

Edição e livre traduçãoShakyamuni

 

Por: shakyamuni

Posts Relacionados

Deixe um comentário